Loading...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011







FUTEBOL PROFISSIONAL

“Quero fazer o melhor por este Clube”

2011/01/14


Guarda-redes Douglas em Grande Entrevista

Conhecido como “muralha”, Douglas possui no curriculum vários motivos de interesse. Aos 27 anos, o brasileiro embarca na sua primeira aventura fora do país natal e encontra no Vitória o “melhor” refúgio. Com contrato até 2014, o guardião espera vencer a luta pela baliza, embora reconheça em Nilson um “excelente” guarda-redes. Na primeira entrevista com a camisola do Vitória, saiba o que pode esperar do número 83.

Que expectativas traz na bagagem para a sua primeira experiência fora do Brasil?

A expectativa é a melhor possível. Optei por vir para Portugal por vontade própria. Acredito que Deus tem algo de bom para mim aqui. Tinha a oportunidade de continuar no Brasil, mas quis apostar em mim. Tomei uma decisão que me deixou muito feliz, assim como a toda a minha família, que apesar de ainda não se encontrar em Guimarães, está muito motivada e ansiosa por vir para cá. Quero adaptar-me rápido ao clima e ao método de treinos, o que, felizmente, não está a ser difícil.

Como se proporcionou a vinda para o Vitória?

Sabia que algumas pessoas do Vitória estavam interessadas em mim. Realizei bons jogos no Ipatinga e sabia que os responsáveis vitorianos tinham assistido a essas partidas. As minhas exibições agradaram e o convite surgiu naturalmente. Depois, foi a minha vez de procurar informação sobre o Clube.

E o que descobriu?

Procurei informações junto dos meus amigos que já conheciam o Vitória e todos me disseram que era um clube exigente, que luta sempre por um lugar nas competições europeias. E isso é, de facto, muito motivador. Fiquei feliz por saber que a qualquer momento poderei estar a jogar numa prova europeia com as cores do Vitória. Para além de tudo isso, foi comum ouvir os meus amigos falarem dos adeptos, referindo-se a eles como apaixonados.

Chega a Portugal depois de uma época bastante positiva ao serviço do Ipatinga. Por que decidiu arriscar?

Sempre que aparece uma oportunidade de crescer não podemos temer. Trabalho por etapas e, hoje, quero fazer o melhor por este Clube. Vou esperar pela minha oportunidade e, enquanto ela não surgir, irei trabalhar ao máximo no meu dia-a-dia. Saí do Santos para o Ipatinga e muitos consideraram que estava a dar um passo atrás. Hoje, eu respondo que dei um atrás para agora dar vários em frente. Vivi uma experiência muito boa no Santos, porque se trata de um dos maiores clubes brasileiros, mas optei por sair para jogar o ano todo. A saída do Santos não foi fácil porque eles queriam que eu fosse para outro clube mas fui muito feliz no Ipatinga.

E foi ao serviço do Ipatinga que lhe colocaram o apelido de “muralha”. Donde vem essa alcunha?

Há cinco anos consecutivos que o guarda-redes do Cruzeiro era considerado o melhor do Campeonato Mineiro e nunca um guarda-redes do Interior tinham conseguido esse título. E, graças a Deus, eu consegui conquistar esse prémio. Desde então, os adeptos e a imprensa começaram a utilizar essa expressão. É óbvio que me agrada muito ser conhecido como a “muralha” porque é um reconhecimento do meu trabalho. Os guarda-redes são muito cobrados porque depois de nós vem o golo e é motivador ver reconhecido o nosso trabalho.

“A minha hora vai chegar”

Está preparado para lutar com Nilson por um lugar na baliza?

Vai ser uma luta tranquila. Todos os clubes têm vários jogadores para a mesma posição. Eu vou trabalhar como sempre fiz. O Vitória tem profissionais competentes para decidir o melhor para cada lugar. Eu quero jogar sempre mas tenho de respeitar as decisões do treinador. A minha hora vai chegar. Curiosamente, a minha estreia como profissional aconteceu numa partida contra o Santa Cruz, onde o Nilson defendia. Vou aproveitar para aprender com ele, porque se trata de um excelente guarda-redes, que conhece bem o Clube e o campeonato português. Eu também tenho qualidades, foi por isso que vim para cá.

È com base nessas qualidades que espera conquistar a preferência de Manuel Machado?

Vou dar o melhor de mim em cada treino. Posso dizer que sou um guarda-redes concentrado e rápido. Considero-me quase completo porque trabalho muito. Sou muito humilde e reconheço que estamos sempre a aprender.

“Já me reconhecem na rua”

A 27 de Dezembro, o Vitória SC anunciou a chegada do primeiro reforço no mercado de Inverno. As mexidas no plantel vitoriano tiveram início na baliza. Douglas juntou-se assim a Nilson e Serginho, formando o trio às ordens de Neno. Resolvidas algumas questões burocráticas, o guardião começou então a treinar-se esta semana. Contudo, desde o principio da aventura na cidade-berço que sentiu o apoio dos adeptos. “Estava cá há apenas dois dias e as pessoas já me reconheciam na rua. Achei incrível. Eu ainda nem treinava com a equipa e os adeptos já chamavam pelo meu nome. Esta situação é reveladora do fanatismo e da forte ligação dos adeptos com o seu Clube. Já percebi que é uma massa associativa especial. Penso que todos os jogadores querem jogar com um espectáculo bonito e são os adeptos que fazem o espectáculo. Não vejo a hora de presenciar esse apoio no estádio”, comentou.

Ainda a habituar-se ao frio, o guardião brasileiro espera por um tempo mais ameno para conhecer a cidade. Nos próximos dias, a esposa Erica e o filho Mateus virão fazer-lhe companhia e, aí sim, Douglas terá somente motivos para sorrir. “Já disse à minha família que estou num lugar tranquilo. Como ainda não tenho carro, não pude ainda visitar lugares especiais da cidade mas estou ansioso para ir ao castelo. O frio é o mais complicado mas a vontade supera qualquer dificuldade. Agora, estou ansioso para receber a minha família, que deverá chegar em breve”, concluiu.

Fora de Campo

• É casado e tem um filho, Mateus, com seis anos

• Nos tempos livres, adora passear com a família. “Gosto muito de sair para comer, porque são duas coisas de que gosto muito. Actualmente, também dedico algum tempo a jogar playstation com o meu filho, porque é algo que ele adora”

• Gosta de tatuagens. Neste momento, tem três. “Tenho uma tatuagem com o nome do meu filho, outra com o nome da minha esposa e outra com a inicial do meu nome e do nome dela”

• Considera-se uma pessoa calma e sincera. “Sou um homem tranquilo e quando tenho alguma coisa para dizer faço-o na cara da pessoa. Prefiro resolver logo as coisas, de modo a evitar mau ambiente. Sou uma pessoa honesta e o que mais me irrita é a traição”







FUTEBOL PROFISSIONAL

Targino e João Ribeiro de regresso

2011/01/14


Manuel Machado definiu a lista de convocados para o jogo com o Olhanense e promoveu algumas alterações relativamente à última partida da Liga.

Confira a lista dos 18 atletas convocados:

Guarda-Redes: Nilson e Serginho
Defesas: Alex, Ricardo, Freire, Anderson e Bruno Teles
Médios: Flávio, Cléber, João Alves, Jorge Ribeiro, João Ribeiro e Rui Miguel
Avançados: Edgar, Maranhão, Targino, Douglas e Toscano




Sem comentários:

Enviar um comentário